Aliado tira do ar programa “Mais Bahia”, que defendia Rui Costa em Jequié

Tido como o aliado mais prestigiado pelo governo Rui Costa na região de Jequié, sua principal base eleitoral, o deputado Euclides Fernandes “lavou as mãos” na decisão de sua emissora, a 93 FM, de tirar da grade de programação, o programa jornalístico “Mais Bahia”, no ar desde meados de outubro. Nem o fato de ser uma produção independente bancada por sindicatos de trabalhadores serviu para garantir a continuação.

O programa era o único na região a ter uma linha editorial francamente simpática ao governo estadual, o que era comprovado pela linha editorial ou a presença constante de autoridades em debates e entrevistas abordando temas priorizados pelo governo, como os investimentos na área de saúde e a forte relação com o movimento social.

Para se ver livre do Mais Bahia, a informação oficial do coordenador da radio, Adilson Alves, é que o programa tinha uma baixa audiência o que segundo ele era “comprovado” pelos registros de acessos aos aplicativos de rádios disponíveis na internet. O argumento é refutado tanto pelos patrocinadores quanto pelos produtores do programa, o jornalista Garcez Almeida e o professor João Magno.

Em nota à imprensa, dirigentes do Sintracal e do sindicato dos bancários, classificaram a motivação como “pouco consistente”, tendo em vista o grande número de manifestações populares em favor do programa.

Carlos André e Marcel Cardim, lamentaram que um espaço dedicado à luta dos trabalhadores e a defesa da democracia não tenha continuidade e que os movimentos sociais percam a oportunidade de fazer o debate de ideias com a sociedade. 

Falando em nome da produção do “Mais Bahia”, o professor João Magno enfatiza que nunca se pensou em fazer um programa popularesco, mas sim um espaço dedicado ao debate e produção de ideias. “Programas com esse formato não são líderes de audiência em lugar nenhum. Buscávamos construir uma alternativa inteligente no rádio de Jequié e a prova que estávamos no caminho certo era a enorme repercussão junto a população e aos formadores de opinião. A retirada do programa deve ter outras razões, menos essa”, imagina Magno.

No trabalho para realização desta matéria, o Blog apurou que o motivo principal para o fim do programa seria o fato de um profissional da emissora não gostar do jornalista Garcez Almeida. Isto teria sido dito pessoalmente por um dirigente da 93 FM, a pelo menos duas fontes do blog. “O problema é pessoal. Um certo profissional da rádio não gosta do Garcez”, teria dito o dirigente.

Consultado pelo blog, Garcez Almeida preferiu não comentar nenhuma das razões alegadas. Disse apenas que sua opinião a respeito dos fatos será comunicada ao dep. Euclides Fernandes, com quem diz ter discutido valores e termos do contrato.

Desde a última segunda-feira, (08.jan.2017), o horário de meio dia, antes ocupado pelo Mais Bahia, passou a ter como inquilinos, o próprio Adilson Alves e outros dois profissionais do rádio local, Márcio Lima e Marcus Cangussu.  A diferença de estilo e formato ficou clara logo no primeiro programa.

Se antes, Garcez centrava sua pauta em política local, nacional e na defesa de temas relacionados aos trabalhadores e ao movimento social, o programa comandado por Adilson prioriza o futebol, com destaque para a presença da ADJ no campeonato estadual. O time é presidido pelo deputado Leur Lomanto, líder da oposição ao governo Rui Costa na Assembleia.

Procurado pelo Blog em várias ocasiões, o dep. Euclides Fernandes não se manifestou.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *