Três jornalistas processados por membros da atual gestão municipal de Jequié

Não é de agora nem é a primeira vez que tentam calar a voz da imprensa em geral intimidando-a com processos, agressões e até mesmo tiros. Os algozes do jornalismo e dos seus profissionais tentam a todo o custo maquiar e esconder a verdade da população, ameaçando aos que têm o direito e o dever de noticiar, de publicar, de informar, de denunciar e de cobrar atitudes e ações condizentes com a ética, a decência e a moral, principalmente por parte daqueles a quem cabe a governabilidade justa e democrática, alguns desses algozes ofendidos, que tanto apregoavam justiça, ética e igualdade quando lhes era conveniente, agora que não mais lhes convêm retiraram suas máscara deixando à mostra a face do mau.

Decorrido o período em que eles não precisam representar para ludibriarem a boa fé do povo e, acreditando que através de processos e ameaças vão seciar o trabalho daqueles que, com profissionalismo e dedicação levam à população a informação real dos fatos e acontecimentos a cerca dos mais variados fatos de interesse do povo, principalmente daqueles em que incidirá consequências direta na mesa, no bolso do povo cuja exigência é respeito e dignidade. A imprensa tem sido ameaçada por denunciar a falta de medicamento no postos de saúde, por apontar as irregularidades nas “reformas” das escolas em que, diga-se de passagem, as cifras gastas não condizem com a real situação pós reforma, em falar e mostrar ruas esburacadas e o consequente sofrimento dos seus moradores e transeuntes, promessas não realizadas, valores altos em consultorias, a ingerência da gestão, a incompetência e violação de direitos no caso dos recursos dos precatórios, desperdícios do dinheiro público como foi o caso das “mochilas gigantes”, que perderam seus propósito, sua funcionalidade primária, etc, etc, etc… .

No intuito de intimidar, estão processando aos que ousam se levantar contra os ditames daqueles que estão postos para servir ao povo, esquecendo-se que o povo permanece, eles passam. A propósito do exposto, o jornalista e radialista Ari Moura, proprietário do Jornal A Folha, assim como o radialista Marcio Lima âncora do Programa 93 Meio-dia e funcionário da 93 FM e do jornalista Marcos Oliver, âncora do Programa Jequié Urgente da 93 FM,  foram processados por divulgarem a verdade, os mesmos aguardam as decisões judiciais e acreditam numa decisão justa, ancorada no que diz a liberdade de imprensa e, principalmente, no que rege a Constituição no seu artigo 5º. São profissionais de imprensa  veteranos, ilibados, que carregam em se a experiência tendo credibilidade junto a comunidade jequieense por suas condutas irrefutáveis. Profissionais esses registrados nos devidos sindicatos da categoria.

Por conta dessa atitude ante democrática e perseguidora, a imprensa local  tem procurado os órgãos de defesa da categoria e, em consequência da fúria dos opressores o assunto foi tema de um  debate neste sábado (19.05.2018), no Programa Semana em Revista da Rádio 93 FM, no qual contou com a presença de jornalistas e radialistas, que baseados no artigo 5º da Constituição Federal no qual estão pautados os tópicos da liberdade de imprensa.

O Radialista Edmundo Filho chefe da comunicação do governo Estadual esteve presente e falou da importância democrática e da liberdade de expressão que o país tem conquistado ultimamente e achou inadequado o tratamento que setores do atual governo tem dispensado aos profissionais de imprensa de Jequié. O advogado Juraci Novato também recorreu à Constituição Federal para discorrer sobre o tema “liberdade de imprensa”, sobre os processos contra seus profissionais e, disse não acreditar no que está acontecendo com o atual governo, nas distribuições sem propósito de ações judiciais sem cabimento a quem contestar as ações do governo. Segundo ele, isso é atitude de um governo autoritário e incompetente.

Comments
  1. MOISES DOS SANTOS SILVA
    • Zenilton Meira

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *