Monilíase é considerada a mais grave das doenças da cacauicultura mundial

O Sistema FAEB em parceria com o Sindicato Rural de Jequié, a Agencia de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), realizou no município de Jequié um seminário onde foram abordadas as ações, recomendações e prevenções para conter a praga monilíase, considerada a mais grave das doenças da cacauicultura mundial, e que está se aproximando do Brasil. O evento aconteceu no auditório do Sindicato Rural de Jequié e contou com as palestras de Catarina Cotrim Matos e Antônio Zózimo de Matos Costa que alertaram sobre os prejuízos que a praga pode trazer para a produção no estado.

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Jequié, coronel Ivo Silva Santos, o encontro foi voltado para agrônomos, técnicos, secretários municipais de agricultura dos municípios que integram a microrregião de Jequié, além de produtores e trabalhadores rurais. A ameaça é tão concreta, que a monilíase foi a primeira praga a ter um Plano de Contingência traçado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento entre as mais de 600 pragas listadas pelo órgão. Ao todo, 112 fiscais de defesa agropecuária estão prontos para atuar em caso de invasão da praga nos estados da Bahia, Pará, Rondônia, Acre e Amazônia. Os produtores rurais foram alertados. Em caso de suspeita, é preciso isolar a área, não permitir a entrada de curiosos e avisar imediatamente os órgãos de defesa agropecuária.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *